Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Direito, gestão e esportes

Direito, gestão e esportes

Por Higor Maffei Bellini 

Em razão da repercussão sobre uma possível entrega de presentes, por um clube, aos árbitros que iriam apitar uma partida de futebol. É que surgiu o presente texto. Que não traz juízo de valor, sobre este episódio, que somente serviu de inspiração.

Pois bem, vamos lá.

Quando vai acontecer uma evento desportivo, vai acontecer de haver deslocamento de árbitros ao local do evento. Eu revelo que desconheço como funcionam as competições de E-sports, por isso quando penso em competições estou imaginando as outras, peço desculpas pela minha ignorância sobre a dinâmica dos E-sports.

Mas voltando deste parentes que achei necessário fazer, havendo o deslocamento do árbitro ao local do evento e considerado que no Brasil árbitro esportivo não é ainda reconhecido como atividade que gera vínculo empregatício, os árbitros tem paralelamente outras atividades, das quais via de regras partem diretamente para o evento esportivo no qual trabalharam.

Assim é uma gentileza do clube que sedia o jogo, aquele que é o mandante, fornecer aos árbitros, para toda a equipe, um lanche ao chegarem ao local. Algo simples, como por exemplo café, chá leite refrigerante e água, além se sanduíche ou salgadinhos, para que estes possam se alimentar.

Outra gentileza é para as atividades onde os árbitros precisam fazer esforço físico e por isso tomam banho, fornecimento além de água quente no vestiário toalhas limpas.

Não posso dizer que isso acontece em todos os esportes, em todos clubes mas é comum, bem comum de ocorrer, em eventos no Brasil.

Penso que se não houver proibição expressa no regulamento da competição. E considerando que no Brasil ao participar tudo que não é expressamente proibido é liberado não existe problema legal ou ética nessas gentileza com a equipe de arbitragem.

Nenhum árbitro apitará a favor da equipe da casa, quando receber estes benefícios nos vestiários, como não apitará contra se não os encontrar. Pensar que isto poderia ocorrer é desconsiderar a seriedade com que o trabalho de um árbitro é feito.

Vamos lembrar que um árbitro se prepara por longos anos, deixa de estar com família e amigos, para trabalhar. E sabe que a sua reputação é o mais importante no meio da arbitragem e que ninguem jogaria isso fora porque recebeu no vestiário um lanche ou deixou de receber.

Mas Higor você não vai falar da suposta entrega das camisas de jogos aos árbitros? Não vou não, este episódio me inspirou, mas, eu não conheço a fundo o regulamento da competição e não conheço a cultura do país da equipe, que teria entregue as camisas, como não conheço a do país de origem dos árbitros, sem estes elementos não posso avaliar, nada do narrado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.