Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Direito, gestão e esportes

Direito, gestão e esportes

Por Higor Maffei Bellini

 

Não tenho a pretensão de trazer uma solução, para os problemas dos jogos olímpicos, em tempo de covid19, quando as delegações vem de países, com realidades sanitárias, diferentes, com a vacinação da população dos países, em realidades distintas. E acima de tudo com novas cepas da covid, sendo constantemente informadas como existente, cada uma com gravidades maiores que as da cepa original, que paralisou o mundo em Março de 2020.

 

Mas preciso dizer estes jogos, entraram para a história, com uma asteristico ao lado, para lembrar da covid, que prejudicou as preparações dos atletas, das delegações que por ter sido realizado um não depois, pode ter retirado da disputas, atletas que em razão da contaminação pela covid, não tiverem condições de treinar adequadamente, que morreram em razão desta doenças. Outros que deixaram de poder treinar em razão da suspensão dos patrocínios esportivos, ou do fechamento dos locais de treinamento. Ou ainda que simplesmente se aposentaram neste período de 12 meses.

 

A Copa América de Futebol, que é uma competição infinitamente menos que os Jogos Olímpicos teve 52 casos de covid, relacionadas a competição. Ou seja, mesmo com protocolos sanitários, que mudam de países para país, de competição para competição,  a covid se espalha e é dectectada em eventos esportivos. 

 

A realidade na aplicação das vacinas é muito diferente ao redor do mundo, com países mais adiantados que outros, na vacinação da sua população.

 

Ao menos não haverão viajantes de outros países ao Japão, para acompanhar as Olimpíadas, uma vez que, a viagem de torcedores pode estar associada a uma maior contaminação, como pode haver acontecido na Eurocopa, quando houve públicos nos estádios e mais contaminados quando estes voltaram as suas residências. Contudo o problema da contaminação pela covid, também pode acontecer com a aglomeração em outros locais, tais como bares.

 

Eu sempre defendi que não existe clima, sanitário para estes jogos acontecerem agora, como não era o momento da Eurocopa ou da Copa América, mas, quem deve decidir isto é poder executivo de cada país, não cabendo ao poder judiciário local, falar se devem ou não acontecer os jogos, já que ao menos no Brasil, não existe razão para o Supremo Tribunal Federal se manifestar sobre a conveniência dos jogos, que aconteceram no Brasil.

 

Porém, com as Olimpíadas acontecendo, os olhos do mundo se voltam ao Japão nem tanto pelos resultados esportivos, que podem estar comprometidos pela preparação inadequada, que pode prejudicar os próximos jogos, que os ciclos olímpicos sempre foram de quatro anos e não de três anos. Mas, sim para saber se existiram casos de contaminação de atletas, durante a competição, quantos serão e quais serão os atletas.

 

Já que de nada adianta fazer testagem diárias, nos atletas, se a contaminação aconteceu e o atleta teve contato com outros atletas, deixo a pergunta: O que fazer se um atleta de esporte coletivo testa positivo no dia seguinte a um jogo? vamos isolar ainda mais a equipe toda e retestar todos os atletas diariamente? por quanto tempo? vamos isolar a outra equipe? os árbitros? todo o pessoal apoio? vamos suspender o próximo jogo  destas duas equipes, enquanto não sair a nova testagem com um prazo seguro, para saber que não houve mais contaminações?

 

Se já se sabia o dia do inicio dos jogos, porque não foram vacinados todos os participantes, independentemente de pais se origem, com a mesma vacina, no mesmo dia, para evitar que as diferentes vacinas, as diferentes reações as vacinas possam afetar os resultados já que como no caso no caso do atletismo, a diferença entre a vitória e a derrota pode ser um décimo de segundo?

 

Houve um reunião, ampla geral e irrestrita onde foi debatida esta possibilidade? não sei, não achei a resposta a esta pergunta no Google, mas se não houve deveria ter havido, já que a paridade de armas, no esporte é um principio basilar e deixar atletas competirem, com vacinas diferentes, tempos de vacinação e reações diferentes competirem juntos é não permitir que a competição aconteça de forma igual.

 

Mas, Higor a questão da diferença na alimentação do atleta, que também influi no resultado, acontece sempre.

 

Sim, mas ao menos mo período da olimpíada, na vila olímpica todos tem o mesmo acesso a alimentação, não existindo naquele momento uma condição de nutrição diferente, o que pode não estar acontecendo em relação a vacinação.

 

Bem como eu disse não pretendo trazer uma resposta, mas, apenas trazer a questão para o debate.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.