Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Direito, gestão e esportes

Direito, gestão e esportes

Por Higor Maffei Bellini 

Olá a todos, espero que estejam bem, que já tenham tomado a vacina contra a Covid, pelo menos a primeira dose, se no país em que vocês estão usar vacina com a necessidade de duas doses.

 

E mesmo que estejam já completamente vacinados, vamos lembrar que ainda é necessário manter a  distância do próximo, usar máscaras e levar as mãos.

 

Dito isso vamos ao nosso tema: é admissível no desporto o atletas, que na linha de comando, ocupa a mais baixa das posições, uma vez que, receberá ordens do treinador, do supervisor, do gerente, do diretor e do presidente do seu clube, ter uma remuneração maior que a dos seus superiores?

 

Isto porquê no campo desportivo a manutenção da hierarquia é um dos dogmas, um dos pilares de sustentabilidade do próprio esporte.

 

Este é um tema recorrente nas conversas no momento de acerto do contrato de trabalho do atleta, mas em especial do técnico que comandará a equipe.

 

Isto vem do fato, de nenhum técnico, que deverá comandar e por consequência punir ao atleta desejar receber menos que o comandado para não escutar deste algo do tipo:

 

-pode multar que eu pago;

 

-multa não faz diferença para mim;

 

-pensa que está falando com quem? Olha o seu carro;

 

Ou ainda:

 

- fica quieto, entre eu e você. Você é o demitido sou muito caro para ser mandado embora.

 

 Então no desporto é importante que a pessoa que comandará a equipe, tenha se não a maior remuneração, a tenha em igual valor aos atletas.

 

Claro que existirá casos, exceções, quando o atleta se torna maior que o próprio clube  passa ele próprio a ter a importância que normalmente seria do clube.

 

Mas a título de exemplo e apenas a título de exemplo vamos imaginar que um atleta de qualquer desporto tenha como carro um Aston Martin, sonho de consumo do Higor diga-se, e o técnico tenha um Opel, não que seja um carro ruim, muito ao contrário é um bom carro, mas, de valor menor que o do atleta. Será que este atleta acatará a punição a ele aplicada pelo técnico?

A depender da formação, ou da falta dela, pessoal e familiar do atleta pode não acatar a punição, já que não lhe afectará em nada a penalização.

 

Por isso sempre que possível, o técnico, gerente, diretor ou qualquer outro superior tenha uma remuneração maior que a do subalterno, para lhe dar a possibilidade de apenar a aquele que está abaixo na teia de comando, sem que este lhe nege a aceitar a punição ou a ordem por saber que monetariamente é mais poderoso.

 

Desta forma, sim, no mundo desportivo é importante o superior ser melhor remunerado que o subalterno