Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Direito, gestão e esportes

Direito, gestão e esportes

Por Higor Maffei Bellini

 

Já estava me recolhendo aos meus aposentos, para acompanhar ao jogo da equipe, da qual sou torcedor, pela Libertadores, quando me deparei com esta matéria do periódico argentino Olé: Racing: la terna brasileña, con Covid-19(https://www.ole.com.ar/futbol-internacional/libertadores/terna-brasilena-positivo-coronavirus-racing-nacional-libertadores_0_m9-XWVJdW.html) que trata deste tema muito importante, mas, pouco explorado: e quando o arbitro testou positivo para a Covid?

É importante, porque sem um arbitro desportivo, no Brasil também chamados de juízes, não existe qualquer desporto, já que para garantir a competitividade justa, e resolver as controvérsias que venham a surgir na partida, na luta ou em qualquer evento desportivo, há a necessidade do arbitro. 

É pouco estudada porque existem poucas noticias e informações sobre o que fazer, para evitar que os árbitros se contaminem com a Covid, sejam apitando uma partida, seja em sua vida cotidiana, posto que até onde se sabe os árbitros, não sendo empregados das federações e não tendo certeza de quando irão receber ao final do mês, porque não sabem em quanto jogos serão escalados, precisam trabalhar fora do esporte.

Assim trabalhando fora do esporte, para garantir a sua renda, os árbitros não podem cumprir por impossibilidade pratica todos os protocolos esportivos, posto que pensados para as equipes, comissão técnica e jogadores profissionais. que tem como se isolar do mundo para garantir que não estejam expostos ao risco de contaminação.

Para tentar solucionar este dilema seria necessário que as entidades, que organizam os eventos esportivos, garantissem um renda mensal mínima, para os árbitros para que eles possam apenas se preparar para arbitrar os eventos, bem como garantir que estes possam fazer as suas viagem, para outras cidades, estados os países, da forma mais segura possível, com o menor contacto com as demais pessoas, e sendo sempre testados, para evitar que entrem no evento doentes.

E o mais importante, garantir para o arbitro que fique doente o recebimento dos valores, que ele receberia, se tivesse seguindo a escala normal, de trabalho em jogos, se não tivesse adoecido, para assim poder se recuperar completamente sem ter de se preocupar, com as despesas do seu lar.